quarta-feira, 15 de março de 2017

Nasces


És fluido, sequência dos momentos
Som da água que anuncia
o fim do estio
Silêncio de todos os momentos
em que a palavra era excesso

Início de todo o infinito
Destino para onde tende o horizonte
És linha do tempo
Calor de um suspiro

Curva do sorriso
Cofre onde repousam as lembranças


Fazes-me nascer a Primavera

domingo, 12 de fevereiro de 2017

No som do vento



Do vento que o frio trazia
nada esperava
Apenas um clima que era o meu
no meio da geada onde crescemos

Era um gesto, o gozo, a harmonia
ou
A ternura, a lembrança, a anarquia

No meio das mãos em concha
a ilusão
no som do sorriso
a emoção
Por trás dos silvos das serras
a lembrança
Toda a que o infinito não apaga
Perene, persiste inabalável
Sabe-se, não se prescreve,

Intimidade não é palavra vã

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Do sinceno, a carambina


Despeço-me

Não que um dia tenha almejado
do sinceno retirar a escuridão
do frio húmido de inverno
respirar o inebriante gelo 
tornado em elegante carambina

Não, apenas busquei
dos dias calmos 
tomar a imensidão
E das cores do nordeste 
fazer um colar de recordações.

Adeus 2016

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Foste luz


Por entre as linhas divisórias da ilusão
Lá onde o horizonte é infinito
Uma lua esbracejava por chegar
Ao limite da ilusão de um sopro efémero
Mas, típica, matreira e persistente bruma
Travavam a ousadia da vontade
Sobrou então em euforia
O que até ali transbordava em desencanto
Fundiu-se o desejo
Soçobrou perante a noite a tirania
Sucumbiu à vontade das estrelas

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

O segredo



Entre o longe e o escuro
Esconde-se
Um sem fim de ilusões

De umas, resulta nada
De outras
O infinito

De ambas, a necessidade
De perseguir, num fôlego
O que a vida nos tem escondido
Atrás de uma pincelada
Mirrada por mil anos
De espera

Um sem fim de segredos

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Supremo


Carece de necessidade
a busca do infinito
quando à nossa volta
supremo
brilha por toda a parte
o paraíso

De coisas simples
se fazem
eternas alegrias

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Não é aqui





Sou um ponto no caminho que percorro
No meio da encruzilhada
tento decifrar as referências
Será aqui
onde os duendes esconderam
sob um manto tépido
o mapa que me indique o regresso
ao tumulto de um dia quente
De onde se aviste um mar
pintado de vibrantes címbalos
anunciando a aurora desejada

Não, viro costas, não é aqui!